quinta-feira, março 6

Limiar de um pensamento...

Mais um monólogo largado em palavras ensurdecedoras de indignação [ ?! ]

Observo o silêncio que me inspiras… Sinto o erguer de um muro entre nós.
Ultimamente sinto-me ignorada! Não me falas, é como se não existisse! Isso magoa-me muito e tu não o vês! [ Ou vês?! ] Dói-me a tua indiferença e sinto que algo não está bem! Espero ouvir uma palavra tua, uma explicação [ se é que há ], mas não ouço. Sufocas-me! Não sei se o fazes de propósito, não sei se esperas alguma reacção minha... não consigo pensar. Bolas! Gostava de perceber esses sinais, esses pedidos, esses “jogos” de silêncio [ Se assim os posso considerar ]... Preciso que me digas e não que esperes que eu procure… porque já não sei o que possa concluir dessa ausência.
Sufoca-me o silêncio que se instala, a distância que é cada vez mais atenuante, o rosto que não vejo, a voz que não ouço, a palavra que parece fugir, o medo de um fim que nem um começo teve … O nada magoa-me…. E a esperança adormece …!

Irá acordar?!

2 comentários:

Anónimo disse...

Será que há uma explicação para tudo? Ou...

(Acordou?)

M.

Secreta Mente disse...

Ou... é mais cómodo pensar que que há?!

[Acordou?! ... A história repete-se!]