quinta-feira, setembro 4

Sangrar


Puxo um cigarro. Quero que sejas a cinza [repleta de emoções e suspiros densos] que fumo beijando em todo este silêncio, onde procuro beber-te a voz, absorta!

Gostava de poder dilacerar cada pedaço teu, entre toques cegos, neste caminhar sem luz, rasgar o teu rosto, cada linha; o teu corpo, cada traço; o teu ser… devagar!

Que estas arestas que te [me] cercam, sejam espadas. Fazer o teu sangue [escarlate] saltar p’ra cima desta tela [cada vez em que és golpe na tua fuga!]. Fazê-lo gotejar sobre estas palavras. Quero sentir o seu odor a sair pelos sulcos da alma, difundindo-se em todo este quadrado em que somos folhas despedaçadas!

Sim, uma gota de sangue tua por cima dum verso era o mínimo que eu gostava agora! Sei-o e confesso que o desejo!

E as asas que me deste, corta-mas já!

2 comentários:

Prisioneira de Sonhos disse...

"sei-o"... linda essa!

Não se corta umas asas dessas...

Grande texto... keep going!

***

M. disse...

Que maléfica hahaha..
Nao, por acaso concordo com a prisioneira de sonhos, é um grande texto, nao tanto em tamanho mas em qualidade. Foi bem trabalhado; nota-se que os teus ultimos texto, à excepçao do "Findados de um Nos" (que creio ser mesmo uma excepçao, pois nesse frisas a pessoa a quem te diriges, o que dá a entender q os outros são para outrem), revelam um fim (ou pelo menos, parece), asco/ira, incognitas (talvez por retratares muito o silencio), mas ao mesmo tempo pareces repleta de certezas quanto ao que tu queres ou quanto a ti mesma.

Analisei bem o teu espirito, nao foi pimpolha? Eu sei haha

Tou com muito trabalho por isso é q tenho cá vindo com menos frequencia, mas pra semana já tou de ferias e já dou a devida atençao à minha menina :)

Beijo